MEWA: Inovação para maior segurança em fábricas e oficinas

Simplesmente seguro: panos de limpeza da MEWA e esteiras de retenção de óleo com sistema de reutilização

 

Para proteger as pessoas e o ambiente, o Estado português coloca requisitos exigentes quanto ao armazenamento e transporte de resíduos industriais. Naturalmente estes são válidos também para panos de limpeza e esteiras de retenção de óleo. Quem confiar no sistema de reutilização da MEWA em relação a estes produtos, está duplamente assegurado: por um lado, os colaboradores, a fábrica ou oficina e o ambiente estão perfeitamente protegidos e, por outro lado, os requisitos legais estão a ser cumpridos a cem por cento. A MEWA é líder de mercado mundial em gestão têxtil com uma experiência de 110 anos.

 

A MEWA oferece esteiras de retenção de óleo ultra-absorventes com sistema de reutilização (foto: MEWA)

 

Lisboa, agosto de 2018: Ferramentas, máquinas, chãos – em fábricas e oficinas há sempre muito para limpar. Mas o que fazer com os panos depois de os utilizar? Armazenar e despachar os panos significa um enorme desafio para muitas fábricas e oficinas. Não é fácil nem barato cumprir com todas as normas. Para além disso, há o perigo de incêndio quando o material de limpeza utilizado – por exemplo para apanhar dissolventes – é armazenado aberto: os resíduos podem reagir com o oxigénio do ar e incendiar o material de limpeza. Por isso, o balde aberto no canto com panos de limpeza usados devia ser passado.

 

No MEWA SaCon, os panos de limpeza e as esteiras de retenção de óleo são guardados e transportados de forma segura e conforme a lei (foto: MEWA)

 

Quem apostar em inovação nesta questão, ganha segurança e tem menos uma carga. A empresa alemã MEWA oferece uma solução de serviço integrado que é económica, confortável e ecológica. O assunto “pano de limpeza” é simplesmente entregue à MEWA. A MEWA disponibiliza a quantidade ideal de panos em conjunto com o MEWA SaCon, o contentor de segurança com fecho hermético, para armazenar e transportar os panos utilizados de forma segura. À hora combinada, a MEWA recolhe os panos usados, lava-os e devolve-os a tempo. O pano de limpeza da MEWA é de malha. Graças à sua qualidade superior pode ser lavado até 50 vezes antes de ser substituído. Com o seu inteligente sistema de reutilização, a MEWA é um forte parceiro para empresas de pequena, média e grande dimensão, já que a quantidade dos panos e o ritmo de fornecimento são combinados individualmente.

 

Há panos de limpeza de quatro qualidades adequados a cada setor (foto: MEWA)

MEWA Gestão Têxtil
A partir de 44 localizações, a MEWA fornece, com serviço integrado, vestuário profissional e de proteção, panos de limpeza, cárteres e mantas absorventes de óleo, assim como limpadores de peças a empresas em toda a Europa. Cerca de 5.200 colaboradores dedicam-se a mais de 184.000 clientes da indústria, do comércio, do artesanato e da gastronomia. Em 2017 o Grupo MEWA alcançou um volume de negócios de 672 milhões de euros. Fundada em 1908, hoje a MEWA é líder no setor de gestão têxtil. Em novembro de 2013 chegou ao top 3 do prémio alemão de sustentabilidade na categoria “Produtos/Serviços Mais Sustentáveis da Alemanha”. Em 2016 a empresa foi distinguida pela terceira vez como “Marca do Século” pela editora Deutsche Standards e em 2015 pela segunda vez como “Líder de Mercado Mundial”.

Newsletter CCILA: Sandra Gomes Pinto dá palestra na Universidade de Heidelberg

Sandra Gomes Pinto, advogada e sócia fundadora da SGP e Associados, deu uma palestra na Universidade de Heidelberg no dia 16 de julho. É o segundo convite consecutivo que uma das mais prestigiadas universidades da Alemanha dirige à advogada portuguesa especializada no mercado alemão. «Os alunos apreciam muito o facto da estrutura de pensamento jurídico em Portugal ter uma base eminentemente alemã, o que torna as relações jurídicas entre estas duas jurisdições mais fácil», explica Sandra Gomes Pinto. Nesta aula, na universidade que formou 55 vencedores do Prémio Nobel, «apresentámos experiências jurídicas portuguesas e destacamos a influência de Portugal na comunidade jurídica lusófona com centenas de milhões de pessoas em todo o mundo que falam português».

No quadro da União Europeia, os advogados têm de cooperar com profissionais de outras jurisdições «porque, com facilidade, os tribunais portugueses ou alemães podem ser chamados a aplicar o direito de outro estado-membro da União Europeia», sublinha Sandra Gomes Pinto. A advogada considera que «quem está habituado a aplicar o direito alemão, tem também muita facilidade em perceber e aplicar o direito português porque a estrutura e os princípios são os mesmos e, em muitos casos, as soluções jurídicas finais são idênticas».

Neste evento, Sandra Gomes Pinto teve oportunidade de falar sobre a sua experiência de 25 anos de contencioso e arbitragem em Portugal, bem como sobre os casos judiciais que envolvem as jurisdições alemã e portuguesa. «A influência alemã no direito português é transversal, desde a sua Constituição, que é uma influência da Constituição de Bona, até ao Código Civil que tem a mesma estrutura do BGB alemão e as mesmas bases e princípios», refere. Portugal destaca-se a nível europeu na modernização e informatização da justiça, como é exemplo a plataforma Citius. Não existe nenhuma semelhante na Alemanha. Aliás, «a arbitragem fiscal é uma experiência na qual Portugal é pioneiro a nível mundial», diz a advogada. Esta urgência em encontrar uma solução de arbitragem fiscal online e com tempos mais curtos também «não faz tanto sentido na Alemanha para os casos de rotina, porque a Alemanha não tem o mesmo nível de morosidade da justiça que existe em Portugal», explica Sandra Gomes Pinto.

Veja o artigo na página da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã aqui.

Semana Internacional de Piano de Óbidos vai além das muralhas

Alto Patrocínio do Presidente da República | Pianistas de renome internacional | 11 concertos, 100 horas de formação

Começa no dia 25 de julho a 23.ª edição da Semana Internacional de Piano de Óbidos – SIPO. Parte do programa do evento recorda o compositor francês Claude Debussy, comemorando o centenário da sua morte. A outra parte é dedicada ao pianista e compositor português José Vianna da Motta a propósito dos 150 anos do seu nascimento. «O nosso núcleo mantém-se. Temos um programa que engloba a formação especializada e o festival de música», explica Manuela Gouveia. A presidente da ACIM – Associação de Cursos Internacionais de Música – acrescenta: «vamos ter 11 concertos e 100 horas de formação».

No dia 30 de julho o Quarteto de Matosinhos realiza o concerto de abertura no Auditório Municipal de Óbidos e toca uma peça de Vianna da Motta. «É curioso que abrimos o evento de piano com quatro instrumentos e nenhum é um piano», comenta Manuela Gouveia. O concerto de encerramento vai ser no Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha pela pianista portuguesa Olga Prats que comemora 80 anos de vida e 60 de carreira e apresenta obras de Rey Colaço e Astor Piazzolla.

«Este ano fizemos questão de alargar os locais de realização dos concertos para conquistar novos públicos e envolver mais municípios na cultura da região», explica a presidente da ACIM. Pela primeira vez a SIPO vai estar no Bombarral, no Teatro Eduardo Brazão, no dia 11 de agosto com um Recital de Piano dos Laureados SIPO 2017, Rafael Ruiz, uma das maiores revelações do piano brasileiro da nova geração, e Guo Xiaoyu, admitido com a melhor nota na audição ao Conservatório de Música da China. Há concertos também nas Caldas da Rainha e em Santarém. Os horizontes da SIPO são ainda alargados a outras artes, como é o caso da pintura com a exposição de António Canavarro “Sem fonia, na procura da harmonia” e também da palestra de João Almeida, jornalista da Antena 2, com o tema “Caminhos para um músico ter sucesso”.

Programa SIPO 2018

As master classes de piano são um dos pontos fortes da SIPO porque «são abertas ao público e são uma oportunidade única das pessoas estarem dentro do ambiente musical mais intensamente», explica Manuela Gouveia que acrescenta «aqui é dada formação especializada a alunos de piano que estão a concluir a sua formação, pianistas em início de carreira e professores». Todos os anos, uma média de 25 alunos nacionais e internacionais integra a formação. Este ano são seis professores, personalidades de reconhecido valor musical e artístico, de dimensão internacional que vão estar rotativamente em três espaços de Óbidos a dar formação a novos pianistas dos seguintes países: Brasil, China, Coreia do Sul, Espanha, Grécia, EUA e Portugal.

Este ano a SIPO conta com o alto patrocínio do Presidente da República e, para a presidente da ACIM, «isso representa um reconhecimento do valor cultural do nosso evento, bem como do impacto que a SIPO tem na Região Oeste». A Associação foi fundada em 1996 precisamente com o propósito de criar na Região Oeste um núcleo de atividades artístico-culturais de renome internacional com aposta na formação de jovens músicos. A ACIM já foi distinguida com medalha de mérito pela Câmara Municipal de Óbidos e pela Associação Empresarial de Óbidos pelo contributo económico à região.

Mais informações e programa detalhado em: www.pianobidos.org

A FUCHS reforça presença na América do Sul, no Chile, com a aquisição do negócio de lubrificantes da Comercial Pacific Ltda.

O Grupo FUCHS, que opera a nível mundial na indústria de lubrificantes, comprou em julho de 2018 o negócio de lubrificantes da Comercial Pacific Ltda. em Chile para o integrar numa empresa recém-fundada. A aquisição foca em primeiro lugar os clientes e os colaboradores. O Grupo FUCHS vai deter 65 por cento desta empresa e a Comercial Pacific Ltda. os restantes 35 por cento.
Como parceiro comercial de longa data da FUCHS, a Comercial Pacific Ltda. estabeleceu-se no Chile nas indústrias mineira e alimentar, assim como na de pasta e papel. A empresa tem 13 colaboradores nas vendas e na tecnologia de aplicação.

Sobre a FUCHS
O Grupo FUCHS desenvolve, produz e comercializa lubrificantes e produtos especiais relacionados para praticamente todas as áreas de aplicação e setores. Fundado em Mannheim em 1931, o Grupo FUCHS emprega 5.000 colaboradores em todo o mundo em 58 empresas. A FUCHS é o maior fabricante independente de lubrificantes do mundo. Os seus principais mercados são a Europa Ocidental, a Ásia e a América do Norte.

Em Portugal a FUCHS aposta na distribuição direta desde 1989

Informação importante
Este comunicado à imprensa contém depoimentos relativos ao futuro que se baseiam em suposições e avaliações da direção da FUCHS PETROLUB SE. Apesar da direção acreditar que estas suposições e avaliações são corretas, a evolução real e os resultados reais no futuro podem, por consequência de vários fatores, divergir muito. Estes fatores podem ser, por exemplo, a alteração da situação económica geral, dos preços de aquisição, dos valores de câmbio e dos juros, assim como alterações no setor da indústria de lubrificantes. A FUCHS PETROLUB SE não assume a garantia nem a responsabilidade jurídica pela concordância de facto entre as suposições e avaliações feitas neste comunicado à imprensa e a evolução e os resultados alcançados no futuro.