MEWA abre as portas da sua produção

O novo vídeo: chegar pertíssimo!

No interior de um tambor de lavagem em forte rotação, a vista de baixo para o projétil a disparar de um lado para o outro nas imponentes máquinas de tecelagem e a visão a partir de altitudes vertiginosas em turbinas eólicas… O novo vídeo da MEWA mostra, a partir de várias perspetivas extraordinárias, por que o pano de limpeza reutilizável é simplesmente genial. E isto com um beat arrojado e em 100 segundos cativantes.

A excelência está no detalhe. Às vezes é preciso chegar bem perto para ver porque é que algo é único. Esta ideia motivou a MEWA a arriscar em imagens completamente diferentes. Logo no início, o batimento cardíaco, o ambiente torna-se clínico, cenas da fábrica de tecelagem da MEWA mostram a perfeição do processo de fabrico em cortes rápidos. Isto é high-tech. Aqui está a nascer, a partir de uma linha especial, o melhor pano de limpeza do mundo: ultra-absorvente, resistente a rasgos, mantém a forma e – muito importante – é reutilizável.

Mãos de operadores, robôs, na tipografia, na oficina automóvel, numa turbina eólica. 2,7 milhões de utilizadores diários. Qualquer que seja o setor, o nosso pano universal está em uso permanente. Pode ser utilizado várias vezes. Logo a seguir é lançado… Ooops! Já está a chegar, como a câmara mostra a partir do fundo… ao contentor de segurança MEWA SaCon. Aqui começa o sistema de reciclagem com tecnologia de ponta. Imagens rápidas acompanham os panos pelos tambores de lavagem, pelas linhas de secagem e pelo impiedoso controlo de qualidade. Claro que a MEWA utiliza, nestes processos, detergente ecológico e aproveita os lubrificantes extraídos na lavagem dos panos para a reutilização térmica. O material, o processo de produção, o sistema de reutilização – o pano de limpeza é um verdadeiro amigo do ambiente até ao último pormenor. No fim, os panos apresentam-se limpos e frescos – prontos para a próxima missão.

Veja aqui o vídeo do pano de limpeza – chegar pertíssimo!

KWD Portugal em Palmela investe 13 milhões de euros e cria 100 postos de trabalho

A KWD Portugal em Palmela conseguiu duplicar a produção. Produz agora anualmente sub-conjuntos para 500.000 viaturas para a Volkswagen Autoeuropa, Volkswagen Osnabrück, Seat Autoeuropa, Ford Valencia e Mercedes Vitoria. Este é o resultado de um investimento de 13 milhões de euros feito ao longo dos últimos 18 meses. Comprou 58 robots para soldadura e manuseamento de peças e contratou 100 colaboradores. Hoje, a fábrica de Palmela emprega 240 pessoas. É uma das sete da KWD, fabricante mundial de componentes automóveis. A KWD assume toda a produção do grupo Schnellecke, um dos líderes mundiais em logística e produção para a indústria automóvel.

A fábrica em Palmela destaca-se pela tecnologia de ponta

O investimento do último ano e meio contribuiu para uma maior automatização do processo produtivo graças aos 58 novos equipamentos de manuseamento e soldadura. Ao mesmo tempo, o incremento de processos automatizados face aos processos manuais exigiu um aumento da qualificação dos colaboradores e a aplicação de novas estratégias de organização da produção. Desta forma, a KWD Portugal conseguiu tornar o processo mais eficiente e elevar os níveis de qualidade.

Os 100 postos de trabalho criados distribuem-se pelas áreas operativas: Área de Produção – alimentação da linha de produção, Área de Manutenção – programação e manutenção dos robots, Área de Qualidade – medição e validação de parâmetros das peças de acordo com requisitos dos clientes. A KWD Palmela fornece atualmente conjuntos de peças para os seguintes modelos automóveis: Volkswagen T-Roc, Volkswagen Sharan e Seat Alhambra, Mercedes-Benz Vito e Viano, Ford Transit Connect e o novo Volkswagen T-Roc Breeze. Este último modelo vai ser lançado em breve no mercado.

KWD Palmela reforçou a produção com 58 robots

Ao leme da KWD Palmela estão Roberto Lanaspa e Humberto Dores. Assumiram como objetivo da KWD «sermos a divisão mais bem-sucedida do grupo Schnellecke e passar de uma faturação de 400 milhões em 2017 para 800 milhões de euros até 2025», recorda Humberto Dores. Roberto Lanaspa sublinha a aposta na KWD em Palmela e reafirma a visão do grupo na «importância de explorar o grande potencial de avanço tecnológico». Assim, Palmela está em sintonia com as outras seis fábricas de Espanha, Polónia, República Checa, China e as duas da Alemanha.

Sobre o grupo KWD
A empresa tem mais de 150 anos, passou a designar-se KWD AG em 1994 e em 1998 abriu a fábrica de Espanha, em Pamplona. Em 2020, a fabrica de Palmela completa 20 anos em Portugal. A KWD AG pertence ao Grupo Schnellecke e emprega cerca de 1.500 pessoas em sete fábricas.

Empresas focadas no sucesso fazem reparações com a esteira de absorção MULTITEX

MULTITEX é, em simultâneo, uma base suave e ultra-absorvente (Foto: MEWA)

Solução de reutilização para fábricas e oficinas

De forma mais rápida, mais limpa, mais segura e mais confortável – é assim que se fazem trabalhos de reparação e manutenção com a esteira de retenção de óleo MULTITEX. A empresa alemã MEWA disponibiliza esta esteira têxtil ultra-absorvente com sistema de reutilização: a MEWA entrega as esteiras, recolhe-as para lavagem e manutenção e devolve-as atempadamente. Isto é eficiente e amigo do ambiente.

Lisboa, junho de 2019: Os cárteres do óleo exigem espaço e não são fáceis de manobrar nem de limpar – a não ser que sejam de tecido e se chamem MULTITEX. Neste caso tudo é fácil: a esteira de retenção de óleo em formato de toalha arruma-se em pouco espaço, é fácil de transportar, flexível na utilização e a lavagem é feita pela MEWA. A repetida reutilização da esteira de 60 cm x 90 cm está garantida, já que é extremamente absorvente. A superfície transporta o líquido imediatamente para o interior, onde um não-tecido especial o distribui uniformemente e o armazena durante muito tempo. Qual é o efeito positivo deste processo? A superfície da esteira fica praticamente seca. Desta forma a MEWA MULTITEX protege as máquinas, o local de trabalho e os chãos de forma eficaz contra sujidade e líquidos perigosos.

A esteira leve é transportada num instante para o seu local de ação (Foto: MEWA)

E o que acontece com as esteiras usadas? São colocadas no MEWA SaCon. Este contentor de segurança sob rodas, com fecho hermético, guarda as esteiras utilizadas de forma segura e em pouco espaço. Desempenha um papel fundamental no inteligente sistema de reutilização que a MEWA disponibiliza aos clientes. Com este sistema, esteiras de retenção de óleo recém-lavadas estão sempre à mão na fábrica ou na oficina. A MEWA trata de todo o resto: a recolha segura e conforme a lei das esteiras usadas dentro do MEWA SaCon, a lavagem e manutenção ecológicas, assim como a devolução atempada das esteiras. Portanto, faz-se um outsourcing do assunto “cárter do óleo” a uma empresa especializada. O que é se ganha? Tempo e dinheiro, um cálculo exato de custos, assim como um avanço ecológico em direção ao futuro.

A MEWA lava e cuida das esteiras de retenção de óleo usadas depois de as recolher no cliente dentro do contentor de segurança MEWA SaCon (Foto: MEWA)

MEWA Gestão Têxtil

A partir de 45 localizações, a MEWA fornece, com serviço integrado, vestuário profissional e de proteção, panos de limpeza, cárteres e mantas absorventes de óleo, assim como limpadores de peças a empresas em toda a Europa. Cerca de 5.600 colaboradores dedicam-se a mais de 188.000 clientes da indústria, do comércio, do artesanato e da gastronomia. Em 2018 o Grupo MEWA alcançou um volume de negócios de 704 milhões de euros. Fundada em 1908, hoje a MEWA é líder no setor de gestão têxtil. Em novembro de 2013 chegou ao top 3 do prémio alemão de sustentabilidade na categoria “Produtos/Serviços Mais Sustentáveis da Alemanha”. Em 2019 a empresa foi distinguida pela quarta vez como “Marca do Século” pela editora Deutsche Standards e em 2015 pela segunda vez como “Líder de Mercado Mundial”.