Empresas focadas no sucesso fazem reparações com a esteira de absorção MULTITEX

MULTITEX é, em simultâneo, uma base suave e ultra-absorvente (Foto: MEWA)

Solução de reutilização para fábricas e oficinas

De forma mais rápida, mais limpa, mais segura e mais confortável – é assim que se fazem trabalhos de reparação e manutenção com a esteira de retenção de óleo MULTITEX. A empresa alemã MEWA disponibiliza esta esteira têxtil ultra-absorvente com sistema de reutilização: a MEWA entrega as esteiras, recolhe-as para lavagem e manutenção e devolve-as atempadamente. Isto é eficiente e amigo do ambiente.

Lisboa, junho de 2019: Os cárteres do óleo exigem espaço e não são fáceis de manobrar nem de limpar – a não ser que sejam de tecido e se chamem MULTITEX. Neste caso tudo é fácil: a esteira de retenção de óleo em formato de toalha arruma-se em pouco espaço, é fácil de transportar, flexível na utilização e a lavagem é feita pela MEWA. A repetida reutilização da esteira de 60 cm x 90 cm está garantida, já que é extremamente absorvente. A superfície transporta o líquido imediatamente para o interior, onde um não-tecido especial o distribui uniformemente e o armazena durante muito tempo. Qual é o efeito positivo deste processo? A superfície da esteira fica praticamente seca. Desta forma a MEWA MULTITEX protege as máquinas, o local de trabalho e os chãos de forma eficaz contra sujidade e líquidos perigosos.

A esteira leve é transportada num instante para o seu local de ação (Foto: MEWA)

E o que acontece com as esteiras usadas? São colocadas no MEWA SaCon. Este contentor de segurança sob rodas, com fecho hermético, guarda as esteiras utilizadas de forma segura e em pouco espaço. Desempenha um papel fundamental no inteligente sistema de reutilização que a MEWA disponibiliza aos clientes. Com este sistema, esteiras de retenção de óleo recém-lavadas estão sempre à mão na fábrica ou na oficina. A MEWA trata de todo o resto: a recolha segura e conforme a lei das esteiras usadas dentro do MEWA SaCon, a lavagem e manutenção ecológicas, assim como a devolução atempada das esteiras. Portanto, faz-se um outsourcing do assunto “cárter do óleo” a uma empresa especializada. O que é se ganha? Tempo e dinheiro, um cálculo exato de custos, assim como um avanço ecológico em direção ao futuro.

A MEWA lava e cuida das esteiras de retenção de óleo usadas depois de as recolher no cliente dentro do contentor de segurança MEWA SaCon (Foto: MEWA)

MEWA Gestão Têxtil

A partir de 45 localizações, a MEWA fornece, com serviço integrado, vestuário profissional e de proteção, panos de limpeza, cárteres e mantas absorventes de óleo, assim como limpadores de peças a empresas em toda a Europa. Cerca de 5.600 colaboradores dedicam-se a mais de 188.000 clientes da indústria, do comércio, do artesanato e da gastronomia. Em 2018 o Grupo MEWA alcançou um volume de negócios de 704 milhões de euros. Fundada em 1908, hoje a MEWA é líder no setor de gestão têxtil. Em novembro de 2013 chegou ao top 3 do prémio alemão de sustentabilidade na categoria “Produtos/Serviços Mais Sustentáveis da Alemanha”. Em 2019 a empresa foi distinguida pela quarta vez como “Marca do Século” pela editora Deutsche Standards e em 2015 pela segunda vez como “Líder de Mercado Mundial”.

SIPO 2019: 24.ª Semana Internacional de Piano de Óbidos arranca dia 21 de julho

Bruno Canino pela primeira vez em Portugal | 9 pianistas de renome internacional | 12 concertos | Até 5 de agosto

A Região Oeste recebe concertos do mais alto nível de pianistas da Rússia, de Itália, do Brasil, da China, de Espanha e de Portugal. A Semana Internacional de Piano de Óbidos é uma iniciativa da ACIM – Associação de Cursos Internacionais de Música – que persiste na sua missão formativa e de promoção cultural da Região Oeste há 24 anos. «O nosso conceito combina um festival de música com um programa de master classes para pianistas em início de carreira», explica a pianista Manuela Gouveia, presidente da ACIM.

Um dos destaques da SIPO vai para Bruno Canino, pianista italiano de 84 anos que atua pela primeira vez em Portugal. Durante os 50 anos de carreira, compôs mais de 30 peças, percorreu quase todos os continentes e foi diretor da Secção de Música da Bienal de Veneza. O seu recital de piano é dia 27 de julho às 21 horas no Auditório Municipal em Óbidos, onde decorre a maior parte dos concertos.

Manuela Gouveia abre a SIPO 2019 com a OCCO nas Caldas da Rainha

 

«Temos concertos também nas Caldas da Rainha, no Bombarral e em Santarém, uma vez que o nosso objetivo é envolver mais municípios na cultura da região», sublinha a Presidente da ACIM. A SIPO abre no dia 21 de julho às 21 horas nas Caldas da Rainha com Manuela Gouveia ao piano acompanhada pela Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras (OCCO). Esta Orquestra dirigida pelo Maestro Nicolay Lalov realiza mais de 120 espetáculos por ano em Portugal e no estrangeiro: concertos sinfónicos, recitais de música de câmara, concertos didáticos e animações.

No dia 23 de julho sobe ao palco do Centro Cultural de Congressos das Caldas da Rainha o Trio Tulipatan que conta com Margarida Natividade, soprano, Tiemin Wang, tenor, e Xavier Rivera, ex-pianista da orquestra da radiotelevisão belga e criador de diversas óperas contemporâneas em França e na Bélgica. Em Óbidos, no Santuário do Senhor Jesus da Pedra, o cravista brasileiro Cristiano Holtz, proporciona um recital dedicado a obras de J.S. Bach no dia 24 de julho. Dois dias depois é a vez do pianista espanhol Josep Colom subir ao palco. As noites de 28, 29 e 31 de julho do Auditório Municipal em Óbidos estão reservadas para Artur Pizarro, Mirta Herrera e Boris Berman respetivamente.

A fechar a SIPO estão os concertos do chinês Wenfang Han e do italiano Lorenzo Pone, pianistas promissores em início de carreira que foram distinguidos em edições anteriores da SIPO com o Prémio ACIM / Antena 2. Apresentam três recitais de piano: em Óbidos no dia 1 de agosto, no Bombarral no dia 4 e em Santarém no dia 5, sempre às 17 horas. Os estudantes SIPO 2019 vão tocar em palco no dia 2 de agosto em Óbidos às 17 e às 19 horas.

Os horizontes da SIPO alargam-se também a outras artes, como é o caso da pintura com a exposição de Fernando Marques de Oliveira “OSTINATO RIGORE / lines on plain landscape” e da palestra de José Valle de Figueiredo, poeta, ensaísta e programador cultural, com o tema “DOIS POETAS EM ÓBIDOS – Camilo Pessanha e Alberto Osório de Castro”. A exposição está patente na Casa da Barbacam em Óbidos de 22 de julho a 4 de Agosto e a palestra é no dia 28 às 17 horas.

 

Bruno Canino atua pela primeira vez em Portugal a 27 de julho em Óbidos

 

As master classes de piano são um dos pontos fortes da SIPO. «Aqui é dada formação especializada a alunos de piano que estão a concluir a sua formação, pianistas em início de carreira e professores», explica Manuela Gouveia. Todos os anos, uma média de 25 alunos nacionais e internacionais participa na formação com pianistas de renome internacional. Este ano são cinco professores – Artur Pizarro, Boris Berman, Bruno Canino, Josep Colom e Manuela Gouveia – que vão estar rotativamente em três espaços de Óbidos – Casa da Música, Igreja da Misericórdia, Casa da Barbacam – a dar formação a jovens pianistas de Portugal, do Brasil, da China, da Islândia, entre outros. As master classes SIPO «são muito mais do que momentos de formação, já que são abertas ao público e constituem uma oportunidade única para as pessoas estarem dentro do ambiente musical mais intensamente», explica a presidente da ACIM.

Este ano a SIPO conta mais uma vez com a distinção da EFFE – European Festival Association – «o que para nós é um reconhecimento do valor cultural do nosso evento a nível internacional», refere Manuela Gouveia. A ACIM foi fundada em 1996 com o propósito de criar na Região Oeste um núcleo de atividades culturais com artistas de renome internacional. Desde então aposta na formação de jovens músicos. A Associação foi distinguida com a medalha de mérito da Câmara Municipal de Óbidos da Associação Empresarial de Óbidos pelo contributo económico à região.

 

Para mais informações, por favor visite-nos em www.pianobidos.org.

Quem tem pensamento económico, aposta no outsourcing da limpeza industrial

Sistema de panos de limpeza da MEWA

A abertura, ampliação ou renovação de uma fábrica ou oficina é uma tarefa hercúlea. Há muitas áreas complexas a definir e a questão que se coloca é: Queremos assumir isso nós ou é melhor fazer um outsourcing? É preciso pôr nos pratos da balança os prós e os contras, uma vez que está em jogo o sucesso da empresa. Na área da limpeza industrial, a solução de outsourcing chama-se Sistema de Panos de Limpeza MEWA. Este sistema de reutilização engloba a experiência de 111 anos da empresa alemã MEWA, que é líder mundial em gestão têxtil.

O sistema de panos de limpeza da MEWA insere-se naturalmente em cada fábrica e oficina (foto: MEWA)

Lisboa, abril de 2019: Que panos e quantos? Quem os arranja e quantas vezes? Quem os descarta e quais os requisitos legais? Quanto queremos investir? Como vamos organizar a disponibilidade dos panos dentro das nossas instalações? Cada uma destas perguntas já é complexa por si só. Por exemplo, os panos de limpeza: distinguem-se quanto ao material, à capacidade de absorção de líquidos, sujidade e pó, à manutenção de forma e ao risco de rasgar, à formação de cotão ou restos de papel, à manuseabilidade, à durabilidade e ao preço. Quem consegue manter aqui uma visão global? A MEWA. Há mais de um século disponibiliza panos de limpeza específicos para indústria e oficinas com um sistema de serviço completo. Isto significa: a MEWA assume toda a logística de limpeza industrial. Quem escolher a MEWA como parceira, já não precisa de analisar perguntas, uma vez que o cliente recebe o sistema inteligente chave-na-mão nas suas instalações. A MEWA identifica as necessidades específicas da fábrica ou oficina e aconselha a qualidade – há quatro diferente conforme a aplicação – e a quantidade dos panos. Com a primeira entrega de panos, a MEWA fornece também o contentor de segurança MEWA SaCon. A quantidade dos contentores é igualmente adaptada às necessidades do cliente. O MEWA SaCon, com fecho hermético, desempenha um papel importante no sistema, já que guarda os panos usados de forma segura, organizada e de acordo com a lei. À hora marcada, os panos usados são recolhidos, dentro do contentor, e transportados de modo seguro e consoante os requisitos legais. A seguir, a MEWA lava-os de maneira ecológica e devolve-os ao cliente na altura combinada. E assim se completa o círculo eficiente e amigo do ambiente.

Com o pano de limpeza da MEWA dá ainda mais prazer fazer um excelente trabalho (foto: MEWA)

O sistema de limpeza da MEWA é uma solução económica que faz boa figura. Dito de outra forma: O sistema permite o planeamento exato, é a escolha certa em termos económicos e ecológicos e contribui para a boa imagem. Com o sistema de panos de limpeza da MEWA, a fábrica ou oficina apresenta-se de forma bem organizada, profissional e amiga do ambiente.

No MEWA SaCon os panos de limpeza usados ficam bem guardados (foto: MEWA)

MEWA Gestão Têxtil

A partir de 44 localizações, a MEWA fornece, com serviço integrado, vestuário profissional e de proteção, panos de limpeza, cárteres e mantas absorventes de óleo, assim como limpadores de peças a empresas em toda a Europa. Cerca de 5.200 colaboradores dedicam-se a mais de 184.000 clientes da indústria, do comércio, do artesanato e da gastronomia. Em 2017 o Grupo MEWA alcançou um volume de negócios de 672 milhões de euros. Fundada em 1908, hoje a MEWA é líder no setor de gestão têxtil. Em novembro de 2013 chegou ao top 3 do prémio alemão de sustentabilidade na categoria “Produtos/Serviços Mais Sustentáveis da Alemanha”. Em 2019 a empresa foi distinguida pela quarta vez como “Marca do Século” pela editora Deutsche Standards e em 2015 pela segunda vez como “Líder de Mercado Mundial”.